O idioma é uma barreira, mas não impede de entender quando alguém precisa de ajuda e quando os dentes aparecem ao receberem água, mantimentos e roupas. É uma demonstração universal de alegria. E é assim que estão fazendo aproximadamente 50 venezuelanos indígenas refugiados em Palmas para conseguir sobreviver dia após dia. Ao todo, 30 adultos entre homens e mulher...

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR

Navegue pelo assunto:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários