Segundo o presidente da Associação Tocantinense de Municípios (ATM) e prefeito de Brasilândia do Tocantins, João Emídio de Miranda, alguns municípios não conseguem transportar os alunos por falta de recursos financeiros. “É uma questão de poder, de recurso, porque grande parte dessa frota é terceirizada, e depende exclusivamente de combustível”, afirma. O prefeito de Aragua...

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários