Olhar forte, sorriso fácil, dor e poesia quando fala de sua trajetória. Em palavras simples, Ana Magalhães Pinheiro, 39 anos, relata a dignidade que sente na profissão que adotou há quatro anos, depois de sair de um casamento abusivo que lhe consumiu a paz por mais de uma década. Ela trabalha em um bordel na área norte da Capital, onde recebeu a reportagem numa n...

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários