O motorista Adenizio da Silva Souza, 36 anos, virou réu no processo por homicídio qualificado. Ele é acusado de provocar o acidente que matou a atendente Pollyane Ferreira dos Santos, 24 anos, em janeiro deste ano em Araguaína.

O juiz Carlos Roberto de Sousa aceitou a denúncia do promotor Daniel José de Oliveira Almeida na tarde de sexta-feira (15), e deu o prazo de 10 dias para Souza responder, por escrito, à acusação.

Conforme a decisão, o acusado está preso no Maranhão. A Justiça determinou a expedição de carta precatória de recambiamento de Souza para o sistema prisional do Tocantins.

O Jornal do Tocantins não conseguiu contato com a defesa, por não estar vinculado ao processo. O espaço está aberto para manifestação.

Relembre o caso

De acordo com a denúncia, divulgada pelo Jornal do Tocantins, o motorista invadiu a contramão enquanto dirigia alcoolizado na rodovia federal em Araguaína. O acidente ocorreu no km 143 da BR-153, em Araguaína, no dia 3 de janeiro deste ano. Pollyane trafegava em uma moto quando o caminhão a atingiu.

Naquele dia, a atendente chegava em uma empresa que reforma pneus, onde trabalhava desde 2021. O teste de bafômetro acusou 1,36mg/L, segundo o registro policial.

A promotoria entendeu que o crime gerou perigo comum, "colocando em risco um número indeterminado de pessoas que por ali passavam, inclusive outros veículos que transitavam no local naquele momento".

Também praticado por meio de recurso que dificultou ou impossibilitou a defesa da vítima. "O denunciado invadiu a via oposta de inopino, surpreendendo a vítima a qual não teve tempo de evitar ou diminuir os danos da colisão", assinou o promotor na quinta-feira, 7.