Atualizada às 14h54 A 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça reconheceu como ilegal e declarou nulo o contrato firmado entre o Estado e a empresa Umanizzare Gestão Prisional e Serviços, referente à terceirização da gestão da Casa de Prisão Provisória de Palmas e da Unidade de Tratamento Penal Barra da Grota. Também ficou determinado que se cumprisse um cronograma...

Olá, esta matéria é exclusiva para assinantes.

Não sou Assinante.

Para ler a matéria você pode usar as chaves de convidado e desbloquear o conteúdo.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários