Duas coisas deveriam ser obrigatórias a qualquer brasileiro: ler Casa Grande e Senzala, de Gilberto Freyre, e visitar um presídio. A primeira lhe trará maiores consciências da própria sorte étnica e você descobrirá porque é do jeito que é. A segunda obrigação, bem menos prazerosa, o faria certamente repensar muitos dos clichês que hoje são vociferados nas redes sociais no que diz respeito à…

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR

Navegue pelo assunto:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários