Após seis meses enfrentando dificuldades para conseguir tratamento, pai e filho com distomia generalizada conseguiram uma segunda sentença judicial que obriga o Estado a disponibilizar o tratamento aos pacientes em até 30 dias. Outra decisão liminar já havia sido determinada em março deste ano, porém o Estado não teria cumprido. Arlindo dos Reis Crisóstomo, de 40 ...

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários