Denúncia protocolada pelo promotor de Justiça André Varanda afirma que o empresário do ramos de material para eventos Bruno Teixeira da Cunha contratou o ex-candidato a vereador em Aparecida do Rio Negro Gilberto de Carvalho Limoeiro Parente Júnior, o Júnior da Serra, por R$ 25 mil para matar o empresário Elvisley Costa de Lima. O valor foi pago antecipadamente, segundo o promotor. 
 
O empresário morreu após ser atingido por tiros enquanto conversava com Bruno Cunha, por volta das 9h em um dos bolsões de estacionamento da Avenida Palmas Brasil, na Quadra 704 Sul.  A denúncia qualifica o homicídio como motivo torpe e por dificultar a defesa da vítima.
 
Segundo o promotor, no dia do crime, Bruno Teixeira ligou para o empresário propondo uma conversa sobre uma dívida que possuía e Elvisley cobrava o pagamento e o levou para o estacionamento onde havia sido combinada a execução. 
 
Enquanto Bruno distraía Elvisley conversando com ele na caminhonete, Júnior da Serra se aproximou do carro, pelo lado da vítima  - recurso que dificultou a defesa do empresário, conforme o promotor - e efetuou vários disparos contra ele. Lima morreu no local.
 
“O conjunto probatório indiciário demonstra que o denunciado Gilberto de Carvalho matou a vítima a mando do denunciado Bruno Teixeira, devedor de vultosa quantia à vítima, mediante promessa de pagamento, tendo Gilberto de Carvalho recebido antecipadamente pelo “serviço” a importância de R$ 25.000,00 (conforme dados telefônicos obtidos por meio judicial)”, escreve o promotor.
 
Varanda afirma que Júnior da Serra ao ser preso em cumprimento a Mandado de Prisão, confessou, em parte, a autoria do crime. Ele está preso em Goiás. 
Bruno Teixeira tem negado a autoria e é considerado foragido pela Justiça. “Entretanto, as provas coligidas aos Autos de Inquérito (Laudos Periciais, imagens, quebras de dados telefônicos, etc.), indicam a coautoria de sua parte”, acusa o promotor.