Quem comanda a música geralmente são donos de carros equipados com aparelhagem de som de até R$ 30 mil, que se espalham pelas ruas. Eles são pagos pelos comerciantes da comunidade, que lucram com bebida, lanche e até acesso a banheiro. Chamado de "fluxo", o pancadão de rua virou opção para o morador de comunidade ou jovem de periferia. Como a grana encurtou na crise, o...

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários