Os promotores de Justiça Octahydes Ballan Junior, Benedicto de Oliveira Guedes Neto e Diego Nardo autores da ação popular que tenta suspender o “decreto da mordaça” refutaram em documento protocolado nesta terça-feira, 14, o entendimento do juiz da 2ª Vara da Fazenda de Palmas, Roniclay Alves de Morais, de que a ação popular não é a espécie adequada para questionar a constitucionalidade do…

Olá, esta matéria é exclusiva para assinantes.

Não sou Assinante.

Para ler a matéria você pode usar as chaves de convidado e desbloquear o conteúdo.
QUERO ASSINAR

Navegue pelo assunto:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários