Divino Allan Siqueira, chefe de gabinete do governador Mauro Carlesse (DEM), acionou a coluna para explicar as críticas do chefe do Executivo às reservas ambientais do Estado e à população indígena durante reunião com o presidente Bolsonaro e demais governadores da Amazônia Legal com pauta sobre o problema das queimadas, repercutidas por esta Antena.

Segundo Allan, talvez Carlesse tenha tido dificuldade de se expressar, mas em relação à comunidade indígena do Tocantins, o governador “entende que estão com muitas terras e sem as condições necessárias para explorá-las e se encontram em situação precária”.

Ele acrescenta que o governador esteve em várias aldeias no estado e conhece de perto a realidade dos povos e entende que a estrada TO-500 é importante para a comunidade indígena e para o estado. 

“De um lado o pedágio controlado com senhas de entrada e saída que irá gerar divisas para a comunidade indígena e, por outro, os estados do Tocantins e Mato Grosso encurtarão distâncias entre os polos de produção e cidades”, avalia.

Artesanato

O chefe de gabinete cita ainda que o gabinete do governador “inclusive, expõe artesanato indígenas genuinamente tocantinenses como cocar e bonecas ritxoko e está dado suporte aos indígenas da Ilha do Bananal na recuperação das estradas vicinais a pedido de lideranças”.

Turismo e pesca

Divino Allan explica ainda que o Estado desenvolve um planejamento na área turística para permitir que “todo o conjunto indígena do estado possa ofertar rotas para pesca esportiva, observação de fauna e flora” e gerar recursos para as comunidades indígenas. “Já existe um exemplo nesse sentido que vale a pena visitar, o Javaé Camp, visitado diariamente em sua maioria por turistas estrangeiros”, conclui.