Em 10 de março de 2017, um ex-atendente de telemarketing em Palmas, de 23 anos, morador de Taquaralto, contratou uma advogada palmense por R$ 300 de entrada mais 30% do valor que eventualmente recebesse da empresa que desejava processar na Justiça Trabalhista, por uma série de restrições que lhe eram impostas no trabalho, inclusive, o monitoramento quando ia ao banheiro.

A ação…

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR

Navegue pelo assunto:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários