O juiz Adolfo Amaro Mendes, titular da 1ª Vara Cível da Comarca de Paraíso, a 60 km de Palmas, Oeste do Tocantins, encaixou no cabeçalho de uma decisão liminar um prostesto contra o que ele chama de “tratamento desigual e desproporcional” recebido pela comarca em relação a outras do mesmo nível (3ª entrância).

Segundo ele, há desproporcionalidade no número de…

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR

Navegue pelo assunto:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários