Marcio Greick 
jornalista

O dia das mães, comemorado neste segundo domingo de maio,10, será um dia atípico para muitas mães que não poderão receber a visita dos filhos, pelo fato de estarem em isolamento social.
 
Mas muitas destas mães, são profissionais que estão trabalhando na linha de frente de combate ao coronavirus. E ao voltar para casa, após um dia de trabalho intenso, muitas vezes colocando a vida em risco, ter o reencontro com os filhos e a família, é uma dádiva de Deus.  
 
É o sentimento da guarda metropolitana Valdelice Ferreira de Oliveira, que se tornou mãe há um ano e dois meses, do primogênito, João Pedro Oliveira Souza. “Ser mãe para mim é descobrir o maior dos amores, é ser plena, é um amor incondicional” acrescentando que se emociona todas às vezes que retorna do trabalho e reencontra seu filho e o esposo, Claudio Júnior de Souza.
 
A Agente de Trânsito, Glauce Kelly de Souza, casada com Francisco José de Oliveira Moreira Jr, é mãe do Arthur Luan Souza Araújo, 15 anos, e do Rafael Ricardo Souza Leite, de 11 anos.
 
Mas não para por aí, em seu coração coube ainda os enteados: Caio Henrique, Lucas Heitor e Isabella Sophia, que usufruem da guarda compartilhada com ela.
 
Após muita dedicação nos estudos, Glauce Kelly, foi aprovada no concurso de agente de trânsito do município em 2014. Hoje atuando no Programa “Balada Segura” ela fala que o papel de ser mãe e as experiências com os filhos de diferentes idades, facilita na realização do seu trabalho. “Quando eu estou trabalhando à noite e encontro com jovens e adolescentes na balada, eu penso em cada pais de família, e oriento-os para que voltem para casa em segurança”, acrescentando que participa ativamente em cada fase da vida de todos os filhos e enteados, o que a torna realizada como mãe.
 
Camila, Isabela e Pedro, são os três amores da arquiteta e urbanista do município de Palmas, Joseísa Furtado de 51 anos. E ainda tem o neto Samuel, que ela o considera, filho com açúcar, “ O menino mais doce do mundo” afirma a arquiteta.
 
Apesar da pandemia, mesmo longe dos filhos, o dia das mães para Joseísa Furtado, será especial. Ela sempre usa os recursos da tecnologia para falar com eles à distância, e com o neto.
 
Para ela, ser mãe tem um significado muito forte, é dar vida a alguém (dar à luz), é ensinar esse alguém a fazer as melhores escolhas de sua vida, desde os primeiros passos. “ São eles, os nossos filhos, que fazem despertar o amor incondicional que há em nós. Esse amor que nos liga é magico”, acrescentando que se valorizamos a vida somos capazes de compreender o valor de uma mãe.
 
E no rascunho e rabisco de sua lapiseira, a arquiteta define o amor pelos filhos:
As três adoráveis parte de mim
Se sou alegre e comunicativa
A Camila é muito mais!
Se sou prática e objetiva
A Isabela é muito mais!
Se sou tranquila e meio artista
O Pedro é muito mais!
Tão diferentes e tão iguais!
E com todas as diferenças e igualdades
Eu os amo cada vez mais!