Notícias

Guerra na Síria: saiba como ajudar vítimas do conflito

Mais de mil crianças morreram desde o início de 2018, segundo dados da Unicef. Outras milhares de pessoas estão desabrigadas ou refugiadas

A Guerra na Síria toma conta dos noticiários nacionais e internacionais. Não por menos: mais de mil crianças morreram desde o início de 2018, segundo dados divulgados pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). A estimativa é que este número corresponda a uma morte por hora.

Newsletter O POPULAR - Receba no seu e-mail informação de confiança

* preenchimento obrigatório

Já os dados da Organização das Nações Unidas (ONU) mostram que o conflito já fez mais de 400 mil vítimas, além de deixar desabrigados 4,5 milhões de cidadãos. O Observatório Sírio de Direitos Humanos também informou que aproximadamente 65% das vítimas faleceram devido aos bombardeios aéreos realizados por aviões do regime sírio e russo.

O diretor regional da Unicef, responsável pelas regiões do Oriente Médio e Norte da África, Geert Cappelaere, informou recentemente que, há meses, as entidades de ajuda humanitária não conseguem acessar as áreas de conflito e que pelo menos 5 milhões de crianças ainda precisam de assistência.

Uma coisa é certa: é impossível ficar apático diante dos números que assolam aquela região. Mas o que fazer diante disso? Como ajudar? Se você se interessa em colaborar, as entidades nacionais e internacionais que prestam assistência às vítimas e aos refugiados precisam de ajuda. Veja como colaborar:

Agência de Refugiados da ONU (Acnur)

A Agência de Refugiados da ONU é uma das responsáveis por fornecer educação e recursos para que crianças e jovens reconstruam a vida em outro país. A Estação de Ajuda aos Migrantes e a Questscope se reúnem em prol da causa, a primeira presta assistência a refugiados da Jordânia e a segunda ajuda os refugiados a cruzarem o mar rumo à Europa em segurança.

Capacetes Brancos

Responsável por procurar e salvar vítimas em regiões controladas pelos rebeldes, inclusive em Aleppo. Até o presente momento, 10 mil feridos já foram resgatados. Integrantes também desempenham tarefas de arrecadação de dinheiro para próteses e apoio psicológico aos familiares dos mortos.

Cáritas

Cáritas é uma Organização Não Governamental (ONG) que ajuda os refugiados que chegam ao Brasil. Eles fornecem itens como colchões, alimentos não perecíveis, roupas e fraldas. O movimento também proporciona a oportunidade de apadrinhar um refugiado em situação de vulnerabilidade.

Comitê Internacional de Resgate (Rescue International)

Conhecido como IRC, o comitê é responsável por assistir pessoas que estão fugindo de guerras ao redor do mundo.

Estou Refugiado

Movimento criado em São Paulo para acolher refugiados que buscam empregos no Brasil. O programa se baseia em auxiliá-los na reinserção no mercado de trabalho, ajudando a elaborar um currículo em português, nas burocracias de validação do diploma no Brasil e fazendo parcerias com empresas para fornecer funcionários qualificados para eles.

Médicos Sem Fronteiras

A organização fornece suprimentos médicos para 158 hospitais localizados no leste de Aleppo, uma das áreas mais atingidas pela guerra, e tenta manter seis instalações médicas distribuídas na região norte do país. Contudo, a intensificação do conflito dificulta o atendimento a todos os feridos.

Movimento Internacional da Cruz Vermelha

A organização auxilia na retirada de cidadãos feridos das regiões mais suscetíveis aos bombardeiros aéreos e ataques terrestres, principalmente em Aleppo.

Salve As Crianças (Save the Children)

A organização ajuda crianças e seus familiares a fugir dos conflitos que os afetam, tanto os que se mudam para outras regiões locais, quanto aqueles que decidem partir para outros países.

Unicef

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef, na sigla em inglês) mantém uma campanha para recolher doações destinadas aos sírios. Segundo a organização, todo dinheiro doado é utilizado em vacinação e na compra de materiais de necessidade básica.

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.
ASSINE JÁ