Criticado por permitir que vídeos de conteúdo falso ou questionável viralizassem, o YouTube ignorou por anos propostas dos próprios funcionários para frear o avanço desse tipo de material na plataforma, segundo uma reportagem da Bloomberg publicada nesta terça, 2. A liderança do site de vídeos estaria mais preocupada em turbinar o engajamento do público do que combater c...

Olá, esta matéria é exclusiva para assinantes.

Não sou Assinante.

Para ler a matéria você pode usar as chaves de convidado e desbloquear o conteúdo.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários