“Era preciso derrubar a ditadura, faze a revolução...Nós queríamos mudar o Brasil” é uma das citações do documentário Araguaia, que estreará hoje, no canal fechado CineBrasiltv, às 22 horas ou então na internet no CineBrasiljá. “O filme é um retrato das barbáries da ditadura no passado, que hoje volta nos assombrar”, afirma o diretor e roteirista do longa Hermes Leal.

Araguaia é um longa-metragem construído a partir do seriado documental Guerra do Araguaia, exibido no canal CineBrasilTV, em três episódios de 52 minutos, que denuncia e reconstitui o massacre de 69 pessoas que faziam parte da Guerrilha do Araguaia, ocorrida entre 1972 e 1974. “É a primeira vez que militares assumem seus crimes e descrevem em detalhes como mataram dezenas de pessoas”, destaca Leal. Ele ainda diz que neste conflito houve a maior mobilização de tropas no Brasil desde a Guerra do Paraguai e a Segunda Guerra Mundial. “Os militares utilizaram cerca de sete mil homens para eliminar os guerrilheiros. O documentário conta uma história que não foi contada, porque essas pessoas desapareceram e eu consegui encontrar essas pessoas e elas resolveram falar”. ()