Dia de quermesse. A porta da igrejinha fervilhava. O sacristão, maroto, esperava o fim das celebrações para correr ao passeio. Beato, regozijava-se em ouvir histórias no passo, as quais ele reescrevia, aumentando os detalhes mais picantes que depois lia e relia em voz alta, sorrindo muito rolando na cama no seu quartinho aos fundos da igreja.

Naquele dia, uma sexta-feira 13, o…

Olá, esta matéria é exclusiva para assinantes.

Não sou Assinante.

Para ler a matéria você pode usar as chaves de convidado e desbloquear o conteúdo.
QUERO ASSINAR

Navegue pelo assunto:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários