Esporte

Nos pênaltis, Goiás bate o Anápolis e conquista seu 26º título do Goianão

Após empate por 1 a 1 no tempo regulamentar, zagueiro Leandro Euzébio desperdiça cobrança em defesa de Ivan e alviverde leva mais uma taça

Benedito Braga
Lance da final do Goianão entre Goiás e Anápolis, no Serra Dourada

Após dois empates, a decisão do Campeonato Goiano de 2016, entre Goiás e Anápolis, foi para a marca da cal. No tempo regulamentar, o jogo ficou 1 a 1, no Serra Dourada.  Nas penalidades, o zagueiro Leandro Euzébio, campeão goiano pelo Goiás em 2009, desperdiçou a única cobrança de pênalti, em defesa de Ivan e deu o 26º título para o maior campeão da história.

As duas equipes fizeram uma partida equilibrada, com boas oportunidades de gol e grandes defesas dos dois goleiros. Se o Serra Dourada não estava tão cheio, tinha torcedores empolgados. Ninguém tirou o pé do estádio. Melhor para a torcida esmeraldina que comemorou o bicampeonato.

O Goiás volta a campo na próxima sexta-feira, 13 de maio, para estrear no Campeonato Brasileiro Série B, contra o Tupi (MG), em Juiz de Fora, no Estádio Mário Helênio. Já o Anápolis aguarda conhecer o primeiro adversário no Campeonato Brasileiro Série D, marcado para começar no dia 12 de junho.

O jogo

Com público pequeno para uma final de campeonato, Goiás e Anápolis começaram a partida com algum nervosismo e muita cautela. O primeiro time a conseguir finalizar em gol uma jogada foi o visitante. Marcelinho atirou da entrada da área, aos 3 minutos, e mandou à esquerda do gol de Ivan. Dois minutos depois, o Galo chegou outra vez com Marcelinho, mas a defesa esmeraldina conseguiu bloquear bem. O Goiás respondeu com Wagner.

Aos 9 minutos, um belo lance no Serra Dourada. Helder finalizou de bicicleta, por cobertura, mas o goleiro Ivan conseguiu se posicionar bem e espalmar a bola sobre o travessão. Aos 16, o Galo voltou a dar uma esporada. Platini fechou na pequena área finalizando, mas foi atrapalhado pela defesa esmeraldina e a bola saiu para escanteio.

Apesar de o Anápolis começar melhor, foi o Goiás quem marcou o primeiro gol, aos 19 minutos. Aposta do técnico Enderson Moreira, o meia Léo Sena apareceu dentro da área para completar contra-ataque puxado por Carlos Eduardo, tramado por Rafhael Lucas e Wagner. Juninho deu assistência na medida para o garoto Léo Sena marcar seu primeiro gol como profissional.

O gol incendiou a partida. O Anápolis se lançou ao ataque para buscar o empate. Logo aos 22, Marcelinho perdeu grande chance após jogada de Michel Platini. Aos 41, o atacante com nome de craque atirou de fora da área e mandou sobre o gol de Ivan.

O Galo não desistiu e chegou ao empate com um golaço, aos 46 minutos. Linha de passe dentro da área do Goiás. Marcelinho mandou a Michel Platini que escorou para o volante Helder chegar como elemento surpresa e estufar a rede do gol de Ivan.

Assim como no 1º tempo, o Anápolis começou melhor. Aos 3 minutos, Marcelo bateu cruzado e Ivan defendeu parcialmente. No rebote, Felipe Baiano finalizou, sem marcação, sobre o travessão perdendo grande chance de virar o placar.

A resposta do Goiás foi coisa de cinema. Aos 5, Rafhael Lucas cabeceou como está previsto no manual do bom atacante: com força, para baixo, no cantinho. O camisa 9 esmeraldino só não contava com o milagre do goleiro Felipe.

Aos 15, o Galo chegou com Felipe Baiano, de cabeça. Foi a vez de Ivan brilhar e fazer grande defesa impedindo a virada. O tempo passava, o jogo ficava mais nervoso e as torcidas tentavam empurrar suas equipes para a conquista do título. Aos 24, Rafhael Lucas finalizou com força, mas parou novamente em Felipe.

O passar do tempo deixou o jogo tenso. As equipes não arriscavam muito. Nos minutos finais, o Goiás foi para o abafa e tentou resolver no tempo normal, mas a decisão do Goianão foi para os pênaltis.

Disputa por pênaltis

O meia Lucas Sotero abriu a disputa convertendo com chute alto. Com categoria, Daniel Carvalho deixou tudo igual. Para o Galo, David foi para segunda cobrança e meteu bola de segurança, no meio do gol. O zagueiro Anderson Salles também deixou o dele e empatou: 2 a 2.

Os jogadores não estavam dispostos a desperdiçar. Jânio deslocou Ivan, que nem saiu na foto. O volante Wendel deixou tudo igual. Felipe ficou plantado. 3 a 3. O lateral direito Marcelo bateu bem e colocou o Galo em vantagem, mais uma vez. O garoto David Duarte nem tomou distância para bola e fez 4 a 4.

Leandro Euzébio, ex-Goiás, desperdiçou a cobrança no canto esquerdo. Mesmo lugar onde Ivan decolou para fazer uma grande defesa. Coube a Rafhael Lucas colocar a 26ª estrela no peito dos esmeraldinos.

 

FICHA TÉCNICA

GOIÁS 1 X 1 ANÁPOLIS

Local: Estádio Serra Dourada, em Goiânia
Árbitro: Bruno Rezende
Assistentes: Fabrício Vilarinho e Tiago Gomes
Goiás: Ivan; Sueliton, David Duarte, Anderson Salles e Juninho (Patrick); David (Daniel Carvalho), Wendel, Léo Sena e Wagner; Carlos Eduardo (Cassiano) e Rafhael Lucas. Técnico: Enderson Moreira
Anápolis: Felipe; Marcelo, Leandro Euzébio, Renato Justi e Rafael Furlan (David); Toró, Helder, Felipe Baiano e Lucas Sotero; Marcelinho e Michel Platini. Técnico: Waldemar Lemos
Gols: Léo Sena aos 19’ do 1º tempo (Goiás); Helder aos 46’ do 1º tempo (Anápolis)
Nos pênaltis: Goiás - marcaram Daniel Carvalho, Anderson Salles, Wendel, David Duarte e Rafhael Lucas. Anápolis - marcaram Lucas Sotero, David, Jânio e Marcelo; Leandro Euzébio não converteu
Cartões Amarelos: Michel Platini (Anápolis); Patrick (Goiás)
Público Pagante: 16.504
Público Presente: 17.687
Renda: R$ 215.175,00

 

João Paulo Di Medeiros
Goiás recebe o troféu de campeão goiano de 2016
Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.
ASSINE JÁ