A linguagem econômica é o inglês da sustentabilidade

Não interessa a causa e sua motivação; a lógica, a linguagem e os argumentos devem ser econômicos, pois eles trazem viabilidade às diversas causas ambientais e sociais e têm melhor chance de serem aceitos pelos gestores públicos e privados. Os elementos naturais devem ser vistos como ativos de enorme valor objetivo, mesmo que muitas vezes…

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários