Um homem, de 47 anos, preso suspeito de matar e esconder o corpo da própria mãe, teria ameaçado esposa e filhos para não ser denunciado pelo crime, conforme a Polícia Civil. O caso descoberto e desvendado nesta quinta-feira, 29, em Gurupi, quando o corpo da vítima, Maria Aparecida de Jesus Gonçalves, de 72 anos, foi encontrado. 

Conforme a Polícia Civil, as ações que se estenderam durante toda essa quinta iniciaram quando a Divisão Especializada na Repressão ao Crime Organizado (Deic) recebeu informações sobre o desaparecimento da vítima, que não havia sido mais vista há aproximadamente três meses. 

Ao investigar o caso, a Polícia Civil descobriu que o filho, com quem a idosa morava há quase um ano, poderia ser o responsável pelo desaparecimento. Essa versão do caso ganhou força com os relatos outros dois filho da idosa, que moram em outro estado e vieram até Gurupi para saber o paradeiro da mãe. 

A Polícia Civil informou que ao localizar o suspeito do caso  disse que teria levado sua mãe para uma chácara. Enquanto se dirigiam até o local indicado, o homem mudou sua versão e disse que a mãe tinha viajado para Goiás. Entretanto, quando  questionado sobre o dia da viagem e a comprovação do embarque da idosa, o suspeito mais uma vez mudou a história. 

Devido às suspeitas, mais uma vez a Polícia Civil questionou o homem sobre o paradeiro de sua mãe. Dessa vez, o suspeito confessou que tinha assassinado e jogado seu corpo da mãe em uma cisterna em sua residência. Delegacia junto com a Divisão de Homicídios e Proteção a Pessoa, acionou o Corpo de Bombeiro para retirar o corpo da idosa do poço, que devido a profundidade somente finalizou o resgate no início da noite. 

Após ser retirado, o Instituto Médico Legal (IML) compareceu ao local e levou o corpo, que estava envolto em um cobertor, para exames.  Já o homem suspeito do crime foi autuado em flagrante pelos crimes de ocultação de cadáver e ameaça, já que teria ameaçado sua esposa e filhos para que não o denunciasse à polícia.

Ele foi recolhido à Casa de Prisão Provisória de Gurupi, onde permanecerá à disposição do Poder Judiciário. Além disso, a Delegacia de Homicídio irá pedir à Justiça a prisão preventiva do indivíduo também por homicídio, já que existem fortes indícios da autoria do homicídio.

Ameaças

Conforme a Polícia Civil, em depoimento a esposa do suspeito disse que a vítima teria ido morar com o casal em dezembro de 2019, entretanto a relação com o filho era conturbada. A idosa, segundo o relato da mulher, era constantemente agredida fisicamente e verbalmente pelo filho. Em seu depoimento ainda, a mulher disse que  sempre cuidou dos ferimentos da sogra, que eram provocados por seu marido.

Ainda no relato, a mulher disse à Polícia Civil que o seu marido ficava irritado com a atitude da esposa e a proibiu de cuidar de sua mãe. Há cerca de três meses, mais uma vez, o homem teria espancado a idosa, que ficou muito machucada. A mulher relatou que mais uma vez cuidou dos ferimentos de Maria Aparecida, o que teria provocado a ira do esposo. Naquele mesmo dia, o homem acordou a esposa e disse que tinha matado a mãe, mas não teria contado onde havia colocado o corpo. 

Após confessar o crime a mulher, confirme o relato dela à Polícia Civil, o homem passou a ameaçá-la e também seus filho para ocultar seu crime. Além disso, a mulher disse que “vivia em terror desde então e que temia ser assassinada, juntamente com seus filhos, pelo marido. Por isso, ela não denunciou o crime. A mulher também afirmou que não sabia que o corpo de sua sogra teria sido jogado na cisterna de sua residência”, disse a Polícia Civil.