O procurador do Estado Ivanez Ribeiro Campos, já condenado criminalmente pela morte de Flávia Chaves Cardeal Oliveira, 28 anos, Maurilene Alexandre da Silva Carneiro, 42 anos, e Aracy da Silva Camelo Pinto, 33 anos, e pela lesão em Mozart Dimas Oliveira, num acidente de trânsito em 2009, agora está condenado na esfera civil, a pagar uma pensão mensal e uma indenização por danos ao viúvo de Aracy, Camilo Carmo dos Santos. 
 
A sentença saiu na segunda-feira, 20, assinada pelo juiz José Eustáquio de Melo Júnior em ação ajuizada no dia 3 de abril de 2012. Campos ainda pode recorrer ao Tribunal de Justiça. 
Melo Júnior fixou uma pensão indenizatória para Camilo Santos correspondente à metade do valor líquido da remuneração de Aracy, que era R$ 4.625,69 na data do acidente, em 4 de abril de 2009, até a data em que a vítima completaria 65 anos de idade. Se Camilo se casar ou viver em união estável também é motivo para cessar o pagamento da pensão.
 
De acordo com a sentença, as parcelas vencidas desde o acidente até a data da execução da sentença devem ser pagas em uma única parcela. As pensões futuras conforme a decisão, devem ser pagas até o 5º dia útil de cada mês.
 
Os valores devem ser calculados quando a sentença for executada e até a data do pagamento efetivo e serão atualizados monetariamente com base no INPC/IBGE, e juros de 1%, desde o dia da morte.
 
Além da pensão, o procurador também está condenado a pagar uma indenização como reparação moral de R$ 50 mil, além das custas e despesas processuais e os honorários advocatícios, no valor de 10% sobre a condenação (dano moral e pensão).
 
No dia 4 de abril de 2009, o procurador entrou na contramão da Teotônio Segurado, próximo à Ulbra, à época com apenas uma via, e bateu de frente com sua camionete L200 contra um Corolla dirigido por Mozart Oliveira, que sobreviveu. 
 
Condenação criminal
 
Além desta ação civil, o procurador foi denunciado criminalmente e condenado, no dia 15 de junho, a prestar serviços à comunidade pelo prazo de 4 anos e ao pagamento, em dinheiro, de cerca de 60 salários mínimos para cada uma das famílias das mulheres mortas. O valor total pelo salário atual, de R$ 1.045, é de R$ 188.100,00. Ele também ficará 1 ano sem a permissão para dirigir veículos, conforme a sentença do magistrado Allan Martins Ferreira.
 
O JTo entrou em contato com a defesa do procurador, que disse que ele não irá se manifestar sobre a sentença.

Atualizada dia 222.7, às 13h18, com a informaçaõ da defesa.