A Prefeitura de Palmas confiscou 20 leitos clínicos em três hospitais particulares da capital por meio de requisições administrativas publicadas no Diário Oficial do município nesta sexta-feira, 24.
 
As três portarias assinadas pelo secretário de saúde Daniel Borini fixam como garantia um pagamento semanal uma diária de R$ 1.700,00 apenas para os que forem utilizados, embora a partir do confisco, os leitos já são considerados reservados para o município a partir deste sábado, 25.
 
No site, a prefeitura cita apenas 18 leitos clínicos e afirma que darão suporte aos pacientes com Covid-19 atendidos nas Unidades de Pronto Atendimento (UPA). 
 
Na quarta-feira, 22, o jornal mostrou a saturação de leitos clínicos na rede pública em Palmas e a paciente Diapuníria Carvalho, de 36 anos, que estava internada há uma semana por Covid-19 numa UPA não conseguia vaga na capital. O JTo apurou queela precisou ser levada para Miracema.
 
A Prefeitura Palmas contabiliza apenas 39 leitos disponíveis para o enfrentamento da doença na capital. A soma junta os 18 leitos que a matéria cita, mais 21 leitos de estabilização nas UPAs (do Sul e do Norte de Palmas). 
 
Os leitos clínicos, segundo a prefeitura, se diferenciam dos de estabilização por ter mais estrutura para tratar o paciente ou estabilizá-lo até encaminhamento para UTI (Unidade de Tratamento Intensivo).
 
Repercussão
A Unimed diz que a requisição está sendo analisada pelo departamento jurídico. 
 
O Santa Thereza confirmou o confisco dos 2 leitos ao JTO e afirma que o hospital entende ter “dever social, moral e cívico com o povo Palmense no enfrentamento dessa pandemia” e que o poder público “tem que tomar as medidas que julgue ser as mais efetivas para que possamos poupar o máximo de vidas”. Contudo, o hospital cobrou mais diálogo da gestão. “Maiores esclarecimentos da operação poderiam ter sido detalhados previamente aos prestadores de serviços”, afirma comunicado do hospital.
 
Procurado, o Palmas Medical emitiu uma nota que afirma ter sido intimado a entregar sete leitos clínicos para uso de acordo com demanda da prefeitura. Segundo o hospital, como mantém alas em andares separados de pacientes com Covid-19 de outras patologias para evitar risco de contaminação, cedeu quatro leitos exclusivos para Covid para auxiliar o serviço público .