Os passageiros de um voo com destino a Brasília, previsto para a madrugada desta segunda-feira, 2, aguardam a decolagem há quase cinco horas na sala de embarque do Aeroporto Brigadeiro Lysias Rodrigues, em Palmas.

A passageira Jocyleia Santana dos Santos, de 48 anos, conta que a aeronave já estava na pista de decolagem quando o comandante informou sobre problemas no freio ABS. “Infelizmente a aeronave chegou à pista principal e perdeu totalmente o arranque para a subida. Nesse momento o comandante pediu que todos voltassem para o saguão de embarque, onde logo fomos realocados para tomar café”, contou.

Jocyleia é coordenadora do Programa de Mestrado em Educação de uma universidade de Palmas e iria fazer uma conexão em Brasília. “Perdi o minicurso em um congresso que iria participar em Belém por conta do atraso. Espero que o voo decole logo”, lamentou.

Márcio Santos, de 39 anos, relatou que deixou os pais, idosos, no aeroporto ainda de madrugada, por volta das quatro horas da manhã. Para ele, a companhia não prestou a assistência necessária, principalmente para dois idosos, que deveriam receber atendimento prioritário. "Eles ficaram umas duas horas seguidas dentro do avião sem informações de qual seria esse problema técnico. Antes deles conseguirem comprar o lanche ou pegar um voucher que a companhia ficou de dar no saguão do aeroporto, foram mandados de novo pra sala de embarque, e lá não tem nem uma lanchonete”, afirmou.

O Jornal do Tocantins entrou em contato com a Companhia Aérea Gol questionando sobre o motivo pelo qual a decolagem não aconteceu, a assistência prestada aos passageiros enquanto aguardam, a previsão de decolagem e se o voo será realizado na mesma aeronave. Em nota, a Companhia informou que a aeronave que faria o voo G3 1793 saindo de Palmas com destino a Brasília apresentou uma limitação técnica antes da decolagem, ocasionando um atraso. A Gol lamentou os transtornos e reiterou que prestou assistência aos seus clientes, que já seguiram para os seus destinos.