O paciente Gleison de Sousa, de 30 anos, aguarda desde o dia 16 de abril, por cirurgia endovascular embolização fístula carótido-cavernosa direita no Hospital Geral de Palmas (HGP). As informações são da esposa do paciente, Cleiany Viana, de 42 anos. 

Gleison deu entrada no HGP no dia 20 de março após sofrer um acidente de motocicleta, encaminhado em seguida para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no Monte Sinai. Mais tarde, retornou ao HGP no dia 16 de abril, com indicação de cirurgia de urgência.

A fístula carótido-cavernosa é incomum e geralmente tem origem em traumas. É uma espécie de comunicação anormal entre a principal veia do cérebro, chamada “artéria carótida”, e outra estruturas venosa especial, chamada “seio carvernoso”, por onde corre sangue que sai do cérebro e nervos do crânio para a carótida. Quando há um trauma na cabeça ocorre uma lesão na carótida, em geral, na parte que fica dentro do seio carvernoso. O principal procedimento para corrigir é a cirurgia.

Segundo a esposa, o hospital informou que a cirurgia não ocorreu ainda por não possuir material necessário. Também conta que houve um pedido para a cirurgia ser feita em outro Estado que acabou recusado, pois se trata de um procedimento realizado no Tocantins. A mulher ainda alega que até hoje o Estado não solicitou novo pedido de cirurgia.

Conforme Cleiany, o marido necessita também de outras cirurgias, no braço e na perna, para retirada dos fixadores, mas que só pode ocorrer, após a realização da cirurgia endovascular. "A gente fica aqui e ele sente muita dor de cabeça, eles ficam só empurrando remédio nele, e a gente está precisando de ajuda para que eles agilizem essa cirurgia.

A Secretaria de Saúde (SES)imputou a demora à compra de materiais “não padronizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS)” para a cirurgia. A pasta informou apenas que “está em fase de espera de entrega por parte do fornecedor, com previsão para os próximos dias.”

O órgão disse, em nota, que o paciente segue internado sob os cuidados da equipe multiprofissional do HGP e passará por “procedimento neurológico e posteriormente ortopédico”. A pasta não fixou prazo para isto ocorrer, apenas que está “seguindo programação médica”.