A Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena), órgão do Ministério da Saúde, confirmou 334 indígenas contaminados em boletim divulgado pelo Distrito Sanitário Especial Indígenas Tocantins.
 
A maior presença confirmada do coronavírus é com o povo Javaé, da Ilha do Bananal, na região de Formoso do Araguaia, com 262 até o domingo, e cinco mortes, entre 322 notificações. 
O segundo povo com dados críticos é o Xerente, da região de Tocantínia. Sáo 63 casos confirmados, com três mortes, entre 135 notificados para Covid-19 e 68 descartados.
 
Etnia Karajá
A doença também alcançou o povo Karajá, que habita a Ilha do Bananal na margem do Rio Araguaia. Os habitantes dessa etnia são atendidos pelo DSEI Araguaia, que tem sede em São Félix do Araguaia e não aparecem na contagem do DSEI Tocantins.
 
Até o domingo eram 14 casos confirmados entre os Karajá, 8 deles na Aldeia Macaúba  e 5 casos na Aldeia Santa Isabel.
Um dos casos com sintomas graves estava internado São Félix do Araguaia e enfrentava dificuldade para ser referenciado para Cuiabá, por ser habitante do Tocantins.