A lavradora Maria Raimunda Alves Oliveira, 53 anos, assentada da reforma agrária, que cedeu a propriedade aos moradores do acampamento que pegou fogo, em Esperantina, extremo norte do estado, relatou ao JTo nesta quarta-feira (12), sobre a situação do local. “Agora a situação é caótica, o povo está desabrigado e sendo acolhido pelos outros acampados com parentes e amig...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar o Jornal do Tocantins

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários