Uma advogada foi presa por engano em 2016, tendo passado por revista íntima e seus bens apreendidos. Depois de horas é que a polícia percebeu o erro que tinha cometido. Por conta disso, o Tribunal de Justiça de São Paulo condenou o Estado a pagar 50 mil reais a título de danos morais à profissional. 
 
Na verdade, o alvo da investigação era outra…

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários