O Tribunal de Justiça de São Paulo negou provimento a uma operadora de plano de saúde que havia se recusado a fornecer medicamento importado. Para a Corte esse fato não afasta a obrigação de se prestar o tratamento ao paciente que, no caso em questão, requereu o remédio Spinraza, usado no tratamento de uma doença genética conhecida por Atrofia Muscular Espinhal (AME) tipo…

Você se interessou por esta matéria?

Assinar o Jornal do Tocantins

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS

Navegue pelo assunto:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários