Intimado pela CPI da Pandemia no Senado, o governo do Tocantins informou à comissão que não reservou, por empenho orçamentário, nenhum centavo do tesouro estadual para enfrentar a Covid-19 no ano passado. 

A informação consta no Ofício nº 566/2021/SEGOV, protocolado no Senado no dia 16 de junho deste ano, com documentação contendo 54 folhas, em resposta aos Ofício nº 138, 496, 435, 1059, 679 e 838/2021 da CPI da Pandemia.

Entre as exigências da CPI nos ofícios enviados ao Estado, era que o governo tocantinense confirmasse o valor recebido de fontes externas ao orçamento do tesouro com destinação específica para combate à pandemia. Em outra, que o Estado fizesse um comparativo entre os valores gastos com recursos do tesouro estadual versus os gastos realizados com recursos de fontes externas, principalmente da União Federal, recebidos exclusivamente para aplicação na calamidade pública.

Segundo a resposta do governo estadual, o total repassado pelo governo federal ao Estado para o enfretamento da pandemia alcançou R$ 250.658.898,06 e mais R$ 40.590.265,56 em 2021, totalizando R$ 291.249.163,62 repassados pelo governo federal.

Desse valor, o governo afirma ter empenhado R$ 163.170.802,56 no ano passado. No campo do empenho de recursos próprios, o governo não indicou nenhum centavo. 
Segundo os documentos, o governo do estado só decidiu reservar recursos próprio neste ano, com o empenho de 35.212.335,21. Já do governo federal, o Estado já empenhou neste ano R$ 94.996.781,83.

O governo também respondeu à CPI que fez contratação de empréstimo para obtenção de recursos para combate à pandemia nem firmou termo de cooperação ou acordo com instituição nacional ou internacional para combate à Covid-19.