Com o aumento expressivo dos casos de Covid-19 em Gurupi, Sul do Estado, e o risco de colapso da rede pública de atendimento à saúde, o Ministério Público (MPTO) emitiu uma recomendação a Prefeitura Municipal para que novas medidas de isolamento sejam tomadas. O pedido quer a adoção, por meio de Decreto Municipal, de bloqueio total de atividades não essenciais e do fluxo de pessoas, ou seja, o lockdown, até a estabilização ou diminuição dos diagnósticos. 

Conforme o MPTO, primeiro o município deve suspender as atividades não essenciais e caso não tenha o efeito esperado, a Promotoria de Justiça de Gurupi recomenda que a gestão municipal avalie a necessidade de bloqueio total por 15 dias. Também são recomendadas medidas de fiscalização mais intensas para garantir o cumprimento das normas restritivas e a implantação de ações educativas, além de advertências para quem não cumprir o determinado que pode chegar a responsabilização criminal contra a saúde pública.

A recomendação dirigida ao Município de Gurupi foi enviada ao prefeito municipal, Laurez Moreira, secretário municipal de Saúde, Antônio Carlos Pakalolo.

Situação 

Segundo o Ministério, a situação se agrava em razão da reduzida capacidade da rede pública de saúde de atender os pacientes mais urgentes. “Durante vários dias da última semana, a taxa de ocupação de leitos UTI Covid-19 do Hospital Regional de Gurupi foi de 100%. Agora está em 80%, o que ainda é preocupante, considerando que os casos crescem vertiginosamente a cada dia”, pontuou o promotor de Justiça Marcelo Lima.

Em Gurupi, o número de casos vem configurando como um crescimento nos últimos 20 dias, saindo de 256 para 678 registros, de 1º à 22 de julho, segundo o Boletim Epidemiológico da Secretaria Estadual da Saúde (SES), deixando a cidade como a quarta mais atingida. Um aumento superior ao de 100% nas confirmações e uma medida de 21 casos por dia. 

Ainda conforme o MPTO, o Hospital Regional de Gurupi (HRG) é uma unidade de saúde de referência para 18 municípios da região e atende uma população total de mais de 198 mil pessoas. Nesta quarta-feira, 22, tem 73% dos leitos ocupados, sendo oito pacientes internados em leitos de UTI Covid-19, ou seja, 80% do total de leitos. Além disso, o Ministério, em levantamento informou que quatro desses pacientes são de Gurupi.  Recentemente a unidade registrou 100% de ocupação.

Município

Ao G1 Tocantins, o Comitê Gestor disse que compreende as razões da recomendação do MPTO e reafirma que todas as sugestões apresentadas foram precedidas de amplo debate dos profissionais de saúde e representações dos vários atores sociais e econômicos da Capital da Amizade. As pautas das reuniões sempre tiveram orientação sob o viés da preservação da atividade econômica e da vida humana.

"Atribuir ao município a conta por eventual colapso da rede de saúde não guarda correlação com a tessitura normativa que orienta a divisão de funções do Sistema Único de Saúde que atribui ao Estado do Tocantins o dever de proporcionar leitos de UTI aos munícipes de Gurupi e Região Sul", diz nota do município.