O setor aeroespacial brasileiro vive um momento de incertezas. Responsável por absorver boa parte da mão de obra qualificada do País e dar fôlego a uma gama de empresas, a Embraer está se fundindo com a Boeing. Além disso, há dúvidas se as verbas para ciência, responsáveis por fomentar inovação nacional, continuarão a existir. Em meio a esse panorama, pesquisadores d...

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários