Duas unidades do Sistema Prisional do Tocantins, em Araguaína e Palmas, instalaram Centrais de Isolamento para detentos com sintomas da Covid-19. A medida visa combater o contágio da doença dentro do ambiente carcerário e ocorre em uma parceria da Secretaria do Estado da Cidadania e Justiça (Seciju) e a empresa cogestora, Embrasil Serviços.

Conforme a Seciju, os leitos de enfermaria estão no Núcleo de Custódia e Casa de Prisão Provisória de (CPP) Palmas e a outra na Unidade de Tratamento Penal Barra da Grota em Araguaína. A Secretaria também destinou Celas de Isolamento, em todas as unidades do estado, para os detentos que apresentarem sintomas de gripe. 

Desde o início da pandemia, outras medidas de prevenção estão como a desinfecção das celas e das áreas comuns duas vezes ao dia com quaternário de amônio, o uso de máscaras, luvas e álcool em gel por todos os servidores e funcionários da empresa cogestora, além do monitoramento da temperatura e aplicação de questionário para avaliação de possíveis sintomas para adentrar a unidade prisional.

Outra medida tomada pela Seciju ocorreu em virtude de evitar contaminar os detentos já em cumprimento de suas penas. Ao todo 15 cadeias públicas das 37 do Tocantins foram selecionadas para receber os novos detidos durante a pandemia. Além disso, os novos presos que entrarem no Sistema Penitenciário ficarão em isolamento durante 14 dias para monitoramento de possível sintoma gripal. 

Centrais de Isolamento

Segundo a Seciju, as Centrais de Isolamento implantadas nas unidades prisionais são separadas da estrutura principal das cadeias e estão abastecidas com medicamentos para alívio dos sintomas, soro e oxigênio. No caso de um detento apresentar sintomas recebe a primeira avaliação na enfermaria e, se os sintomas se relevem uma possível infecção da Covid-19, o preso é encaminhado para uma área de isolamento para este. Posteriormente, quando os testes são positivos, o detento infectado é isolado por 21 dias e os companheiro de cela são monitorados por 14 dias.