O Ministério Público Estadual (MPE) relacionou a exoneração do então vice-presidente do Instituto de Terras do Tocantins (Itertins), Celso Eraldo Ayres Arruda, com a investigação feita pelo procurador-geral de Justiça, Clenan Renaut de Melo, que apontou que ele não preenche os requisitos da Lei da Ficha Limpa (Lei estadual nº 2.744, de 2013). Já a Secretaria Esta...

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários