Em sessão da Comissão de Inquérito Parlamentar (CPI) do PreviPalmas ocorrida na tarde desta terça-feira, 21, o ex-presidente do órgão, Maxilane Fleury, alegou desconhecimento técnico dos documentos que assinou e que causaram o rombo de R$ 58 milhões na previdência dos servidores municipais da Capital. Presidida pelo vereador Milton Neris (PP), a CPI durou cerca de ...

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários