Neste começo de segundo ano de governo, o presidente Jair Bolsonaro apostou em nomes moderados do seu próprio grupo político para ocupar funções de integrantes da "ala ideológica". As crises do vídeo de inspiração nazista que derrubou o secretário de Cultura e do desmatamento da Amazônia, que repercutiu até em Davos, levaram Bolsonaro a convidar a...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar o Jornal do Tocantins

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários