Levantamento da Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo) mostra que o presidente Jair Bolsonaro (PL) já bloqueou 82 jornalistas no Twitter. O chefe de Estado lidera o ranking de autoridades que mais restringiram o acesso de profissionais de mídia a seus perfis.

Bolsonaro também bloqueou pelo menos 7 veículos de comunicação, segundo a análise. São eles: Intercept Brasil, DCM, Aos Fatos, Congresso em Foco, Repórter Brasil, O Antagonista e Brasil de Fato.

A página de Bolsonaro no Twitter é coordenada pelo filho Carlos Bolsonaro (Republicanos), vereador no Rio de Janeiro. O 02 também está bem colocado no ranking, na 4ª posição. Carlos bloqueou 22 jornalistas, 2 a mais que o irmão 03, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e 5 à frente do 01, o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ).

BLOQUEIOS FORA DOS BOLSONARISTAS

Os primeiros colocados entre não apoiadores do presidente lideram com apenas 2 bloqueios cada. É o caso do juiz responsável pela Operação Lava Jato no Rio, Marcelo Bretas, e do governador do Maranhão, Flávio Dino (PSB). Políticos da oposição, como os senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Renan Calheiros (MDB-AL), os deputados Joice Hasselmann (PSL-SP) e Gleisi Hoffmann (PT-RS) e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), também aparecem na lista, com 1 bloqueio.