A decisão da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) puxada pelo voto do ministro Edson Fachin, na terça-feira, 3 de dezembro, de aceitar denúncia a partir do voto da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o senador Renan Calheiros (MDB-AL) por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, no âmbito da Operação Lava Jato, abre brecha para uma nova leva de ações judiciais da Operação…

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários