Afastado por 120 dias pelo Tribunal de Justiça (TJTO), mas prorrogação também referendada pelos desembargadores em processo administrativo-, o juiz de Tocantínia Alan Ide Ribeiro enfrenta seu martírio jurídico também em uma ação penal na qual o Procurador Geral de Justiça (PGJ) José Omar o denunciou criminalmente ao TTJO.

Audiência de instrução

No processo administrativo…

Olá, esta matéria é exclusiva para assinantes.

Não sou Assinante.

Para ler a matéria você pode usar as chaves de convidado e desbloquear o conteúdo.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários