Políticos sem mais tempo

Na canção de Cazuza, o tempo não para. Ainda que se tenha que o tempo não existisse e que o homem assim o denominasse a partir de um domínio que dele talvez considerasse deter. Contrariamente àqueles que veem o tempo apenas como uma variável constante e imutável.

Se o tempo, nessa régua, não para e algo programado ficou para trás, não o acompanhou, tem-se um…

Olá, esta matéria é exclusiva para assinantes.

Não sou Assinante.

Para ler a matéria você pode usar as chaves de convidado e desbloquear o conteúdo.
QUERO ASSINAR

Navegue pelo assunto:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários