Luiz Armando Costa

Não sou defensor do que Spinoza considerava simpatia malévola para exprimir maldades desinteressadas. Mas o conflito empregado/empregador no poder público do Estado remete a paradoxos incontornáveis. É, metaforicamente, como se o cachorro corresse atrás do rabo.

Os servidores expandem a possibilidade de greve. Reivindicam os 5,07% da…

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários