Nossos governantes adoram os aparatos do poder, como faixas, títulos, diplomas simbólicos de universidades e um certo tratamento imperial. Um colega de farra de Fernando Collor na Ipanema dos anos 70 foi à sua posse na Presidência em 1990. Ao chegar sua vez na fila, abraçou-o e o chamou, como sempre, de "Fernando". Collor se desvencilhou, como se estivesse sendo abraçado por um lagarto saído…

Olá, esta matéria é exclusiva para assinantes.

Não sou Assinante.

Para ler a matéria você pode usar as chaves de convidado e desbloquear o conteúdo.
QUERO ASSINAR

Navegue pelo assunto:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários