Notícias

Parlamentares vão à PGR contra Bolsonaro por 'apologia à tortura'

Bolsonaro dedicou seu voto a Ustra: "pela memória do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, o pavor de Dilma Rousseff".

Agência Câmara/Divulgação

Parlamentares de seis partidos protocolaram, nesta quarta-feira (27), representações na PGR (Procuradoria Geral da República) contra o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), acusando-o de apologia ao crime e injúria por suas declarações durante a votação do impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Na ocasião, ao votar pelo impeachment, Bolsonaro exaltou o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, acusado de torturas, assassinatos e desaparições forçadas durante a ditadura. Ustra morreu no ano passado, aos 83 anos, de falência múltipla de órgãos, decorrente de uma pneumonia.

A PGR já abriu um procedimento interno para investigar Bolsonaro, após ter recebido mais de 20 mil manifestações de cidadãos contra o episódio. A medida, porém, ainda não virou um inquérito formal, etapa seguinte de uma investigação criminal.

Os parlamentares foram pessoalmente à PGR entregar as representações. Foram recebidos pelo chefe de gabinete do procurador-geral da República Rodrigo Janot, Eduardo Pelella. Uma das representações é assinada pelos líderes do PSOL, PT, PCdoB, PDT e Rede, além do filho do jornalista assassinado pela ditadura Vladimir Herzog, Ivo Herzog. A outra é de autoria do PPS.

Para os parlamentares, o fato de ter citado que ele foi "o pavor" de Dilma significa que Bolsonaro fez referência direta às torturas, fazendo apologia ao crime. "Ele está admitindo que a condição de torturador existe", afirmou o deputado Glauber Braga (PSOL-RJ).

"Neste caso ele [Bolsonaro] extrapolou todos os limites que são dados pela imunidade parlamentar", disse o líder do PSOL, Ivan Valente.
A reportagem não obteve contato com a assessoria de Bolsonaro até as 17h30.

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.
ASSINE JÁ