A manifestação cultural sússia está sendo transformada em filme pela visão e direção da estudante e moradora da comunidade Quilombola de Lagoa da Pedra, Lucrécia de Moura Dias. Lucrécia, de 29 anos, nascida e criada na comunidade foi selecionada em 2017 pelo projeto Revelando os Brasis com a proposta de resgatar e registrar a sússia. No último final de semana, a estudante de Educação do Campo, Artes e Música, da Universidade Federal do Tocantins, realizou as gravações na comunidade com a participação de moradores. O cenário foi o próprio quilombo que fica localizado na cidade de Arraias, a 413 Km de Palmas.

Lucrécia conta que se inscreveu no projeto com intuito de dar visibilidade e valorizar a vida no campo e as características culturais e históricas das comunidades da região. “O fato de ser uma quilombola, tenho meu valor, tenho o direito de estar numa universidade, de estudar, de assumir minha identidade como quilombola, como preta, como pessoa que tem valor, que tem conhecimento, tem uma cultura. Tem que ter orgulho do que a gente tem lá e do que a gente é”, conta a diretora.

A comunidade de Lagoa da Pedra foi a primeira do Tocantins reconhecida como remanescente quilombola pela Fundação Cultural Palmares. “Falar da sússia na minha comunidade é muito gratificante porque é uma cultura dos nossos antepassados, que vem passando de geração e eu vejo que essa cultura está se perdendo na nossa comunidade”, conta Lucrécia.

Entre as preocupações na hora da gravação do filme estavam o resgate com a nova geração e a participação da comunidade. “A comunidade hoje está bem mais comunicativa, tem telefone, internet e isso acaba influenciando o interesse dos jovens por essa cultura. Eu espero que com o filme, eles vejam o tanto que é bonito e preserve essa cultura”, diz Lucrécia que precisou lidar com a resistência no começo. “A participação da comunidade foi muito importante para mim. Não consegui a participação de todos, porque a comunidade se fechou um pouco por conta de outros trabalhos que não deram retorno”, conta.

Projeto

O Revelando os Brasis é realizado pelo Instituto Marlin Azul com o patrocínio da Petrobras e é um instrumento de registro da memória e da diversidade cultural do País. Em 2017, 15 histórias de moradores de cidades com até 20 mil habitantes foram selecionadas. Depois de selecionados, eles participaram da Oficina de Formação Audiovisual, no Rio de Janeiro.

Para a coordenadora do projeto, Beatriz Lindenberg, é a possibilidade de criar um arquivo autêntico. “O projeto nos dá a oportunidade de promover a construção de um acervo audiovisual brasileiro riquíssimo e muito original, construído por quem vivencia as realidades retratadas nos filmes. Ou seja, não com um olhar externo, mas sim com um olhar próprio daquele lugar. E esse conteúdo se multiplica a partir da visibilidade proporcionada com as exibições na TV e a disponibilização pela internet”, comenta.

Após o preparo, os participantes retornam para suas cidades com os roteiros prontos e a tarefa de mobilizar a comunidade local para participar das gravações. “Dirigir o filme foi muito legal, muito diferente para mim e quando a equipe chegou foi que eu vi o quanto que é bacana estar por trás da câmera. Acabei virando protagonista da minha própria história”, relata Lucrécia.

Os filmes serão lançados nas comunidades participantes por meio de circuito que monta um cinema ao ar livre em ruas e praças dos municípios. As produções também serão exibidas no programa de TV Revelando os Brasis, realizado em parceria com o Canal Futura.

Sússia

Também conhecida como súcia ou suça, a sússia é dançada no folclore de cidades como Paranã, Santa Rosa do Tocantins, Monte do Carmo, Natividade, Conceição do Tocantins, Peixe, Tocantinópolis. A dança, provavelmente de origem escravagista, é caracterizada por músicas agitadas ao som de tambores e cuícas. Uma espécie de bailado em que homens e mulheres dançam em círculos. A sússia na Folia do Divino em Monte do Carmo é dançada ao som da viola, do pandeiro e da caixa. Também é dançada ao som do tambor em outras manifestações populares, como em Natividade. As saias floridas rodadas balançam no ritmo da bumba e da caixa. Crianças, mulheres e homens dançam, tocam e se divertem nas rodas de sússia, uma manifestação cultural típica de comunidades quilombolas do sudoeste do Tocantins que agora vira filme no Revelando os Brasis.