Em seu primeiro livro, o baiano de coração tocantinense Osmar Ziba reúne poemas carregados de memórias interioranas e cercados da solidão, acidez e, por vezes, crueldade cosmopolita. Cada poema é íntimo, desnudo, um mergulho fundo no doce e no amargo da língua ferrenha do autor, como todo poeta por natureza deveria ser. Seus versos por vezes parecem cantados. De cer...

Olá, esta matéria é exclusiva para assinantes.

Não sou Assinante.

Para ler a matéria você pode usar as chaves de convidado e desbloquear o conteúdo.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários