Kakah Morena, dançarina coroada pela Imperador do Ipiranga, conta que já foi rejeitada por outras escolas de samba da capital paulista e diz que há empresas que não aceitam ser atreladas ao mundo LGBT nos sambódromos "Não podemos colocá-la nas apresentações, porque vamos perder público". Essa foi uma das frases ouvidas pela transexual de 30 anos ao longo de sua vida...

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários