Em 1997, durante uma apresentação da ópera La Bohème, de Puccini, o maestro Mariss Jansons passou mal e caiu do pódio. Os músicos que o acudiram mal podiam acreditar no que viam: o rosto contorcido de dor por causa de um enfarte e os braços ainda se movendo, continuando a reger a partitura de Puccini. Jansons nunca se recuperou completamente. Há duas sem...

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários