Melhor filme, direção, ator, fotografia e som – foi assim, de baciada, que o longa A Febre, de Maya Da-Rin tornou-se o grande vencedor do 52º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. Levou ainda o prêmio da crítica. Fez-se justiça, a meu ver. A fábula “transteen” Alice Jr., do paranaense Gil Baroni, agradou em cheio e levou quatro Candangos – atriz, atriz ...

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários