Não é novidade que a literatura é movida por uma infinidade de sentimentos, mas o que dizer quando o que move o autor é a vontade de superar limitações físicas, seu estado de saúde ou a perda de uma pessoa querida? Foi isso que aconteceu com Odir, Esmar e Luis, três homens com carreiras distintas e que possuem algo em comum: o apreço pela escrita e a forma...

Olá, esta matéria é exclusiva para assinantes.

Não sou Assinante.

Para ler a matéria você pode usar as chaves de convidado e desbloquear o conteúdo.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários