Magazine

Diretor de 'Aquarius' diz que derrota 'está em sintonia com política do país'

Contrariando as expectativas, o filme "Pequeno Segredo", dirigido por David Schürmann, desbancou "Aquarius", de Kleber Mendonça Filho, e irá representar o Brasil no Oscar

Victor Juca
Clara, personagem vivido pela atriz Sonia Braga, vive em um antigo apartamento à beira da praia no filme Aquarius, do diretor Kléber Mendonça Filho

Apesar de ser apontado como favorito, "Aquarius" não irá representar o Brasil a uma possível vaga ao Oscar.

O escolhido pela comissão do Ministério da Cultura foi "Pequeno Segredo", dirigido por David Schürmann, de acordo com anúncio feito na tarde desta segunda (12), na Cinemateca, em São Paulo.

A escolha já repercute nas redes sociais e chegou ao diretor de "Aquarius", Kleber Mendonça Filho, que está com a atriz Sonia Braga no Festival Internacional de Cinema de Toronto, no Canadá. Ele se pronunciou no Facebook, alegando ser "bem possível que a decisão da comissão esteja em total sintonia com a realidade política do Brasil", que seria "coerente e já esperada".

O cineasta pernambucano aproveitou a publicação para enaltecer sua obra, evidenciando que "Aquarius" "é um filme que já faz parte da cultura e desse tempo, num ano difícil no nosso país".

"No final das contas, 'Aquarius' é um filme sobre o Brasil", concluiu. "Talvez seja exatamente esta honestidade que tenha feito de 'Aquarius' um filme forte como agente cultural, social e produto da nossa indústria do entretenimento".

Leia a íntegra:

"Soube aqui no Festival de Toronto da decisão via Ministério da Cultura de não indicar "Aquarius" como candidato brasileiro ao Oscar. Estou numa tarde de entrevistas e já vendo o tipo de reação que tem surgido na imprensa e redes sociais. É bem possível que a decisão da comissão esteja em total sintonia com a realidade política do Brasil, ou seja, é coerente e já esperada. Para além de decisões institucionais via Governo Brasileiro, "Aquarius" tem conquistado internacionalmente um tipo raro de prestígio, e isso inclui distribuição comercial em mais de 60 países enquanto já se aproxima dos 200 mil espectadores nos cinemas brasileiros, com um tipo de impacto popular também raro. Mais ainda, é um filme que já faz parte da cultura e desse tempo, num ano difícil no nosso país. No final das contas, "Aquarius" é um filme sobre o Brasil, que está no filme da maneira mais honesta possível. Talvez seja exatamente esta honestidade que tenha feito de "Aquarius" um filme forte como agente cultural, social e produto da nossa indústria do entretenimento. Sonia está aqui do lado, poderosa como Clara. Ela manda beijos!"

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.
ASSINE JÁ